Solidariedade, afetividade, caridade, respeito e amizade foram algumas das palavras utilizadas pelos alunos das escolas municipais para traduzir a importância de participar do Dia Municipal da Paz, comemorado nessa quinta-feira (1/8).  A data, instituída em 2007 pela Câmara Municipal, foi criada após o atentado sofrido pelo prefeito José Luiz Mandiocão, um ano antes. Neste dia foram realizadas, em todo o município, atividades com o objetivo de difundir a paz e a não violência na sociedade.

A secretaria de Educação trabalhou na mobilização de todas as escolas da rede municipal de ensino na organização dos eventos alusivos a data. Durante toda semana os alunos participaram de dinâmicas e produziram materiais relacionados ao tema. As atividades foram montadas para que cada aluno compreendesse o significado da palavra “paz”  e também da importância da presença deles nesse evento. Escolas como Mauricio Kopke, Albino Thomas de Souza Filho, Professor Honesto Almeida de Carvalho (EMPHAC), Posse, Duque de Caxias, Munir Abdalla Helayel, Castelo Branco, Rômulo Tude, Kingston Motta, Raubino Pereira de Mesquita, Candido Moreira, Creche Zely Miranda, entre outras, organizaram “Caminhadas pela Paz” nos bairro, com a presença dos alunos e professores.

Os alunos da escola municipal Governador Roberto Silveira, do bairro Vertente, fizeram panfletagem na Praça Fonseca Portela, no Centro.

“Nós resolvemos realizar a ação aqui na praça para agregar um número maior de pessoas. Foi muito bom  para os alunos esse trabalho de campo. As abordagens, a distribuição do material que produziram e essa troca de experiência são muito importantes para a formação dessas crianças”, explicou a diretora.

Trabalho em Equipe – Os alunos confeccionaram cartazes e bandeirinhas com mensagens sobre paz, anti-bullying e não violência, além de distribuírem balas e pirulitos para população. Muitos também aproveitaram a oportunidade para se divertir nos brinquedos da praça.

“Trabalhamos bastante nas aulas os valores da amizade, do respeito ao próximo e, principalmente, o respeito às diferenças. A paz só acontece plenamente se respeitarmos e preservarmos esses valores que são primordiais para a sociedade”, afirmou a aluna Kevellyn da Fonseca, de 11 anos.

A secretária de Educação, Wanderlúbia Antunes, disse que esse é um momento de aprendizado e reflexões.

“Ê muito importante apoiarmos  essa  iniciativa das escolas de promover essa cultura da paz e não violência na sociedade, principalmente nesse momento conturbado que vivemos no dia a dia com tantas notícias ruis sobre violência”, afirma a secretária.

Texto: Denilson Santos

Fotos: Galileu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *