Apesar de estar presente no ponto das vans e na Rodoviária nas primeiras horas do dia, a Guarda Municipal não teve dificuldade de garantir que o Decreto Municipal, que proíbe a entrada e saída de coletivos da cidade, fosse cumprido. O mesmo aconteceu na noite de ontem, quinta-feira (19), quando os agentes estiveram em bares, lanchonetes e restaurantes distribuindo o Decreto e orientando os comerciantes.

Apesar de alguns passageiros ainda não saberem como farão para chegar ao trabalho, a população parece ter entendido a medida tomada pelo prefeito José Luiz Antunes. A consultora de vendas, Mirian Ramos, conta que entende a medida tomada e acha necessária, mas revela que não teve tempo suficiente para encontrar outro meio de ir ao trabalho em Araruama.

Profissionais de saúde também estiveram na Rodoviária preocupados com a locomoção para o trabalho. “Liguei para minha chefe e disse que não tinha nem van, e nem ônibus para chegar ao Hospital. Ela me disse que se não conseguisse nenhum transporte, viria me buscar”, explica a técnica de enfermagem, Camila Gomes, que trabalha no Hospital Estadual Azevedo Lima, em Niterói.

Para a aposentada Célia Silva, e a diarista Maria Helena Lima, a medida tomada pelo prefeito está aprovada. “Poderia até ter proibido antes para a gente não pegar nada.  Até para fazer compras mudei meus hábitos, estou indo ao supermercado só quando realmente preciso e bem cedo, logo quando abre, para evitar encontrar muita gente”, conta a aposentada.

Restaurantes, bares e lanchonetes

Ontem à noite, os guardas também circularam pelos bares, lanchonetes e restaurantes da cidade para distribuir o decreto e orientar os comerciantes, mas segundo o comandante da Guarda Municipal, Jardel Soares, não houve resistência. “Eles entenderam a medida, estão conscientes, e acataram a hora de fechar”.

Taxi ou carro de aplicativo

O procurador geral do município, Guilherme Lopes, salienta que não são apenas os ônibus e vans que estão proibidos de chegar e sair da cidade, mas todo e qualquer transporte coletivo, como ônibus de excursão, taxi ou carro de aplicativo que estiver funcionando com o sistema de compartilhamento de viagem, ou seja, quando mais de um passageiro solicita o mesmo veículo para um destino em comum, ou próximo.

 Texto: Lívia Louzada

 Fotos: Lívia Louzada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *